Translate

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Crianças e doença aguda


Por vezes sinto que a Homeopatia é tida pelas pessoas como um método terapêutico obscuro e marginal, que só é considerada quando as esperanças nos métodos convencionais está francamente diminuída.
Este conceito de última esperança não podia estar mais errado. O pensamento devia ser precisamente o contrário, ou seja, a Homeopatia devia ser a medicina de primeira abordagem e não a medicina quimica. Porquê recorrer aos malefícios dos medicamentos quimicos, como antibióticos, anti-inflamatórios, anti-depressivos, etc, quando temos na Homeopatia uma resposta mais rápida, eficaz e sem os efeitos nefastos dos quimicos? Quando digo resposta mais rápida, é precisamente isso que se passa com a administração do medicamento homeopático. Qualquer patologia aguda, infecciosa ou não, com a administração do medicamento correcto na potência certa, é combatida de uma forma surpreendentemente rápida e eficaz.
Na minha práctica clínica vejo isto diariamente. Infecções urinárias, candidíases, infecções respiratórias, infecções cutâneas, etc, são tratadas de uma forma bem mais rápida, eficaz e suave para o doente. Nas crianças, onde a Homeopatia devia ser a medicina de primeira linha por excelência, os resultados são espantosos. Bronquiolites, otites, infecções respiratórias das mais variadas etiologias, processos alérgicos, amígdalites, erupções cutâneas, entre outras patologias agudas, são tratadas rápida e eficazmente com o medicamento homeopático, reduzindo muito o tempo normal de convalescença e, mais importante ainda, diminuindo os episódios de recidíva, tão habituais nas crianças sujeitas ao tratamento com antibióticos. Muitos pais não recorrem à Homeopatia por desconhecimento, ou da eficácia, ou por não conhecerem um homeopata que lhes garanta a confiança necessária para tratar os seus filhos. Tenho muitas crianças na minha consulta, muitas delas, quando vieram pela primeira vez, tomavam inúmeros medicamentos, em certos casos à vários anos e com resultados muito pouco satisfatórios. O que posso dizer, é que os “meus” meninos e meninas, não voltam a tomar medicação quimica, claro que continuaram a constipar-se, mas são tratados homeopaticamente de uma forma rápida, suave e permanente, evitando-se assim, as frequentes recidívas tão habituais com a abordagem alopática(medicina quimica).
O preço, tal como já falei num post anterior, está ao alcançe de todos. Desde que se recorra à verdadeira Homeopatia, só irá ser prescrito UM medicamento que custará cerca de quatro euros. O preço da medicação é sem dúvida uma grande vantagem da Homeopatia.
Por fim, deixo algumas perguntas para a reflecção dos pais :
Já se questionaram sobre os malefícios do excesso de medicação dado hoje em dia às crianças?
Consideram normal terem as crianças doentes de quinze em quinze dias e os médicos alopatas continuarem a dar a mesma medicação sem resultados?
Será normal que o estado predominante da criança seja o estado de doença?
Será normal que os médicos alopatas não considerem insucesso clínico, quando têm uma criança durante anos a tomar medicação supressora?
O estado de cronicidade da criança será devido à doença original, ou será devido à doença provocada pelos medicamentos(iatrogénica)?
Estas são perguntas pertinentes, que devem ser colocadas e analisadas conscientemente. A Homeopatia tem as respostas e, deve ser considerada, como medicina de primeira abordagem e não como segunda escolha, para bem das nossas crianças.

1 comentário:

DiAleX disse...

Mais outro post de grande qualidade. Sempre que puder, penso na Homeopatia em primeiro lugar. É, no mínimo, um alívio tomar as "bolinhas" homeopáticas sabendo que estamos ingerir substâncias inteiramente naturais. Já com a medicina alopática não é a mesma coisa e depois há o problema das resistências que os microrganismos estão a adquirir aos ditos químicos.

P.S.: Fizeste muito bem em ter colocado imagens no blog. Torna-o mais "simpático" à vista. (hehehe)